quinta-feira, julho 30, 2009

Opinião de... Ricardo Lopes

Está encontrada a "equipa satélite"

O facto de muitos dos atletas formados nas camadas jovens vitorianas se “perderem” e nunca saírem do anonimato depois de atingirem a idade adulta dá que pensar, todos parecem estar de acordo relativamente a este assunto. Muitos têm prometido soluções mas a realidade é que o problema é complexo levando a que tudo continue praticamente na mesma. Desde a era de Pimenta Machado, acusado de não aproveitar os jovens formados no Vitória passando por Victor Magalhães prometendo protocolos com os diversos clubes do conselho na tentativa de rodar os jovens valores e terminando (pelo menos para já) no actual presidente que mostrou vontade em inverter a situação mas não passou de isso mesmo.

Emílio Macedo esteve tentado em apostar em definitivo numa equipa B, mas o facto de a mesma ter de iniciar, segundo se consta nos distritais de futebol, arrefeceu um pouco essa ideia (e ainda bem) ficando novamente em “Banho-maria” a resolução do problema. A verdade é que na minha opinião as equipas B estão completamente em desuso, até pelos custos que isso acarreta aos clubes e praticamente deixaram de existir.
O ideal seria os jogadores que terminam a formação e demonstram qualidades, poderem treinar com o plantel principal. Para isso é preciso que a ligação com o plantel profissional esteja bem estruturada e que haja coragem para apostar nos jovens valores.

Também é verdade que para se ganhar rotinas é preciso competir e de preferência ao mais alto nível, mas nem sempre isso é possível porque a exigência de resultados imediatos fala mais alto e leva os dirigentes à “cegueira”, contratando na grande maioria dos casos estrangeiros de valor duvidoso ou então por interesses extra futebol. É portanto urgente tirar partido do investimento que se faz nas camadas jovens e ter coragem de apostar na prata da casa. Apostar num clube de uma divisão secundária para manter em competição aqueles que não conseguem entrada directa no plantel principal, será no meu entender uma boa solução. A propósito, esta direcção deu um passo nesse sentido: na passada semana tomei conhecimento do plantel do Serzedelo (3ª divisão) para esta temporada. Quatro ex-juniores do Vitória (Hugo, Ricardo, Cristiano e Lucas) ao abrigo de um protocolo irão defender as cores verde e amarelo juntamente com outros oito jogadores (Nera, Capucho, Peixe, Zé Pedro, Bruno Sousa, Vitinha, Cheguerov, Pedro Mendes e Feliz) também eles formados pelo Vitória mas deixados escapar por anteriores direcções.

Dado este passo por parte da direcção vitoriana, encontrado o clube que irá acolher os jogadores que terminam a sua formação, será preciso a partir de agora que tenham um acompanhamento muito próximo, nomeadamente ao nível da equipa técnica no clube adoptado para melhor fazer a ligação com o plantel profissional vitoriano. E isso não sei se foi acautelado. Mas, só assim se conseguem tirar dividendos do investimento feito. A verdade é que consta do protocolo feito com o Serzedelo, e confirmado pelo seu presidente, o regresso dos emprestados no final de cada temporada ao Vitória e a integração de novos atletas no clube presidido por José Antunes. Fica desta forma a ideia, apesar de não ser oficializado pela direcção, que está encontrado o parceiro ideal para dar continuidade ao trabalho realizado nas camadas jovens. Espera-se que seja um trabalho para ter continuidade e não uma medida avulsa em final de mandato.


por Ricardo Lopes

14 Comentários:

Anónimo disse...

Salo, Jussane e Fausto foram emprestados ao Maria da Fonte e Carlos e Bruno ao Amarante.

30/7/09 00:48
lol disse...

Sobre este assunto sou completamente contra a ascenssão imediata dos juniores à 1ª equipa.

Pedro Mendes e Fernando Meira são exemplos de que é bom rodar 3 ou 4 anos.

Sinceramente não me lembro de nenhum jogador que tenha passado dos juniores para os seniores e tenha se afirmado.

E fora raras excepções de jogadores realmente fora de série, nenhum clube de ambições de alto nível utiliza jogadores directos da "cantera" com assiduidade.

Um mau exemplo disso é o Sporting que "apenas" ganha financeiramente com essa aposta em jogadores directamente dos juniores para o 11 inicial. Porque em termos desportivos apenas tem beneficiado da tristeza (alegria para mim lol) que é o Benfica (que tem tambem uma gestão ridicula de destruiçao sucessiva de planteis e aposta em jogadores jovems com potencial mas sem experiencia. que assim continuem).

No meu entender (visão completamente amadora). O modelo ideal seria:

1- contratos de longa duração (e não de 2 anos como foi dado ao jussane e companhia, se fazem uma boa epoca este ano no emprestimo, pro ano o vitoria tem menos argumentos para pedir muito dinheiro pois daqui a 2 anos sai de graça)

2- Um ou dois anos de empréstimo a clubes da 2ª divisao ou 3ª.

3- Um ano de emprestimo a um clube da liga de honra ou da 1ª.

4 - Promoção ao plantel principal
nota: Devendo os jogadores ser observados e seguidos com assiduidade durante os empréstimos para que caso mostrem maturidade e valor inquestionavel poderem avançar para a equipa principal ou para um empréstimo a uma equipa de valor superior à que representa.


É claro que as ambições individuais dos jogadores e interesses dos empresários estragam isto tudo mas pronto.

Sou a favor da prata da casa mas apenas depois de adquirirem experiencia

30/7/09 02:25
Anónimo disse...

tenho a dixer k tinhamos dois grandes laterais de qualidade, se calhar com mais que capacidadede de serem titulares e foram emprestados! (salo e ricardo) mas enfim... pra nao falar no resto! vamos ver para o ano ou ate mesmo em dezembro!!

30/7/09 02:49
Anónimo disse...

Acham que e a jogarem na 4 divisão, ( REGIONAL), em que o futebol e jogado a BIQUEIRADA, PAULADA,ETC.,que os n/ jovens vão evoluir?

30/7/09 06:29
Diogo Ferreira disse...

Este tema FORMAÇÃO, é de facto um tema muito complexo e com um grau de exigência bastante elevado. Na realidade, o VSC nunca tirou grande proveito das camadas jovens, não porque os jogadores não tinham valor, mas sim pelo sistema que o clube tinha que acabava por perder os jogadores para outros clubes.

Fiquei bastante agradado com este acordo com o Serzedelo que joga na 3ªdivisão, acho que é um passo importante, obviamente, que eu preferia que este acordo fosse realizado com uma equipa de uma divisão superior, não sendo possível, acho que o caminho para começar está certo. Espero, é que os resultados deste acordo possam vir a servir o clube a todos os níveis, aproveitando os bons jogadores, e claro, rentabiliza-los mais tarde, vendendo-os a preços apetecíveis ajudando assim o clube a equilibrar as contas a nível financeiro. Para que isto possa acontecer, precisamos também de um treinador que possa ter olho clínico para os jovens, e acima de tudo, que seja ambicioso e acredite neles, caso contrário não vale a pena ter formação, não vale a pena fazer contrato com um clube satélite. Outro problema que se mantém no futebol, tem a ver com os interesses que continuam a existir em redor das contratações, e isso obviamente que é outra grande dificuldade, mais complicado de resolver, mas não impossível, basta para isso, termos um Presidente que coloque os interesses do clube primeiro deixando os seus próprios interesses para segundo plano.

Dou os meus parabéns ao Ricardo Lopes por ter levantado este tema, que é muito falado, mas que infelizmente os resultados falam por si.

30/7/09 08:39
cc disse...

Diogo Ferreira, o Vitória nunca tirou grande partido dos jogadores da formação, porque Vascos Santos, Milos e Ca-judas sempre houve nos cubes.
Entre meter directamente a jogar 3 ou 4 moços das formações, sabe melhor passar férias ao Brasil para já no final da estadia - hoteis de 5 estrela, trazer um qualquer jeitoso futeboleiro de praia.
Vale a pena pensar nisto.

30/7/09 11:14
Anónimo disse...

o clube satelite com melhores era o moreirense abaixo do moreirense nao ha nada

30/7/09 11:25
LG disse...

Os dirigentes do futebol são como os políticos, por mais que prometam aos sócios que vão revitalizar os clubes e que vão olhar mais para os atletas das camadas jovens, passados uns tempos, vê-se que são promessas eleitorais. Eles não pensam depois no que prometeram, pensam em fazer pela vida particular, e as promessas já foram esquecidas.
É importante que artigos como este do Ricardo Lopes sejam lidos e apreciados, mas nunca vão dar em nada, porque não há nesta direcção (nem noutras houve) traquejo e vontade para dar o passo em frente, como no Sporting.
Os clubes, querem, gastar, porque quanto mais gastam, mais ganham.
Não é o clube que ganha, são os empresários.

30/7/09 17:01
MlGUEL CARVALHO disse...

FALTA AQUl MENClONAR O VlTOR BASTOS ESTE SlM EMPRESTADO A UM CLUBE DE JElTO "VlZELA".

30/7/09 17:49
Anónimo disse...

lol disse...

"Pedro Mendes e Fernando Meira são exemplo perfeito que é bom rodar 3 ou 4 anos."

Como isto anda, por pouco seriam emprestados quase toda a vida desportiva.

Mas como se pode dizer tudo o que apetece sem o minimo de fundamento, lol para ti tambem.

30/7/09 17:59
Joker disse...

ouvi dizer que o Carlitos não podia ser dispensado porque senão o Vasco Santos perde as comissões!!

É verdade ou só mais um rumor.

Se todos os socios alinharem eu dou 5Euros para pagar uma auditoria independente activos do Vitória. Era bom saber quem tem percentagens dos passes dos jogadores.

E mais, alinho também num abaixo assinado para a FIFA para acabar com esta pouca vergonha de comissões. Os passes dos jogadores deviam pertencer apenas aos clubes.

Se os jogadores ou os clubes quiserem empresários então só haviam de poder ter se estes fossem pagos com ordenados fixos e não com percentagens.

30/7/09 19:27
lafuente disse...

Fico muito contente por o clube da minha terra o serzedelo tenha jogadores da formaçao do vitória.A muito que o serzedelo merecia esta situaço.

30/7/09 21:46
Anónimo disse...

Neste post senti a falta de alguns anónimos que apelidam o blog de botabaixismo. e que só gostam de comentar quando se critica.

31/7/09 10:20
luis cirilo disse...

Pessoalmente sou um defensor acérrimo das equipas B.
Por entender que é a melhor forma de acompanhar a evolução dos jovens talentos oriundos da formação.
Ficam no clube,são acompanhados diariamente pelos técnicos,dispões do mesmo departamento médico,podem evoluir num sistema de jogo que é igual ao da equipa principal.
Infelizmente tal não é possivel em Portugal.
Porque os regulamentos anacrónicos que temos limitam as equipas B á III divisão (II B) e isso não átractivo para os clubes.
Porque se pudessem,como noutros paises,jogar na Liga de Honra esse seria o escalão ideal para a sua formação.
E a propria Liga Vitalis teria muito a ganhar se lá pudessem evoluir um Vitória B,um Porto B,Um Benfica B,etc.
Ou alguém duvida que um jogo Vitória B-Benfica B teria muito mais espectadores que um Gondomar-Freamunde ?
O problema são os regulamentos.
É uma pena os dirigentes que temos serem tão "ceguinhos" que nem para o lado conseguem olhar.
Porque o Barcelona,não por acaso o actual campeão europeu,é um belo exemplo de coo se pode aproveitar a equipa B coo viveiro de grande qualidade da equipa principal.
Ou de onde pensam que vieram Messi,Xavi,Iniesta,Bojan,Valdés,Puyol ?
Para além de uma geração a despontar com Busquets,Pedro Rodrigues,Vitor Sanchez,etc.
Pois ...mas como por cá soos muito finos o campeão da europa não serve para exemplo.
É muito melhor ver o SLB iniciar um jogo com onze estrangeiros.

31/7/09 16:57