quarta-feira, outubro 28, 2009

Artigo de Opinião - José M. Pereira

SONHO

O dia foi longo, cheio de intensidade, stress e cansativo. Jantei às pressas e fiz-me à estrada para ir ao estádio assistir ao Vitória X SCP. Sempre na correria. Durante o jogo vibrei, insultei, lamentei-me e desesperei. Terminado o jogo voltei para casa, dediquei-me a algumas tarefas diárias que me restavam, comi qualquer coisa e fui dormir pois o cansaço tinha tomado conta do meu corpo. Um descanso retemperador para quem como eu que tem o dia preenchido e que tenta ser o melhor profissional, o melhor pai, melhor marido e o melhor cidadão possível. Durante o meu descanso sonhei como qualquer um dos mortais sonha. É esse meu sonho que vos quero contar.

Como adormeci a pensar no espectáculo degradante proporcionado pelo Sr. Benquerença, o meu sonho girava em torno do futebol português. Sonhei que o nosso futebol era apaixonante, com bons jogadores, estádios cheios, bons espectáculos, com rivalidades mas sem insultos e com segurança para os espectadores. Tudo isto era possível pois o presidente da Federação Portuguesa de Futebol era respeitado e até temido. Os dirigentes da LPF era extremamente profissionais e apresentavam um programa para o seu mandato e durante esse mesmo mandato o cumpriam na íntegra, não havendo interferências dos senhores feudais, sendo salvaguardados os interesses da totalidade dos 16 clubes da Liga Sagres e dos 16 clubes da Liga Vitalis. Os presidentes dos clubes eram pessoas que para além de zelarem pelos interesses dos seus clubes zelavam, também, pelo futebol portugueses em geral, pela sua transparência, pela sua qualidade e viabilidade. Os clubes de futebol tinha na suas administrações/direcções, na sua esmagadora maioria, pessoas com conhecimentos de gestão desportiva, gestão empresarial e marketing. Que os estádios tinham boas condições. Os preços dos jogos eram justos. Os clubes não recorreriam a jogadores estrangeiros de valor duvidoso. Os jogos eram efectuados em horários e em dias mais apropriados. Os órgãos de comunicação social eram isentos e davam oportunidade a todos os clubes, havendo, contudo, a diferenciação justa consoante a grandeza de cada um.

De repente, acordei e logo despertei para a realidade que se revela completamente antagónica ao sonho que estava a ter.

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol não tem poder, não é respeitado, sendo por vezes um mero fantoche nas mãos dos barões do futebol. Esses mesmo barões que criaram raízes nas cúpulas do futebol cá do burgo. A LPF é dirigida por algumas pessoas até credíveis que no, entanto, são manietadas pelos próprios clubes que os elegeram. O Conselho de Arbitragem da LPF nem tem rumo, nem coerência, nem, tão pouco, um pouco de decoro. Justiça lhes seja feita são obedientes aos seus 3 “donos”. Os dirigentes dos clubes, na sua maioria, são pessoas egocêntricas, vaidosas, andam no futebol para se promover. Eles não olham a meios para atingirem os fins. Vale tudo, o insulto, a arrogância, o despeito, a má educação e até criticarem, até, o próprio futebol. O “produto” que esses mesmos dirigentes deveriam defender com unhas e dentes, jogam-no na sarjeta. Eles podem tudo, inclusive, até dizer que Portugal é um país de rafeiros. A realidade mostrou-me, igualmente, que alguns estádios não têm condições e que os preços em muitos jogos são quase proibitivos. As equipas recorrem a jogadores estrangeiros sem qualidade alguma e deixam os nossos jovens valores jogados ao abandono. O futebol português vive numa autentica ditadura da TV. Jornadas a alongarem-se por 5 dias, com a maioria dos estádios vazios. Mostra-nos, também, a realidade que a comunicação social gravita em torno dos ditos 3 grandes. São páginas e mais páginas de “palha” acerca desses clubes, são debates televisivos com os seus adeptos com lugar permanente. Os pequenos e médios clubes têm direito a umas pequenas colunas. As Tv’s, também, se regem pelo princípio que o futebol é os 3 grandes e os restantes clubes são meros coadjuvantes. Como poderá haver democracia, pluralidade e oportunidade para todos quando a comunicação social tem este comportamento?

O futebol Made In Portugal está pelas ruas da amargura e urge dar uma vassourada nos dinossauros que estão a aniquilar este desporto apaixonante.

Depois desta reflexão rápida e antes de retomar o meu merecido sono questionei-me qual ou quais os motivos porque gosto e perco tanto tempo com o futebol. A resposta tem um nome: VITÓRIA. Só mesmo este grande grande amor é que me faz correr para o estádio.

Por José M.Pereira

13 Comentários:

Vimaranes disse...

Excelente texto caro José. Acho que haverá poucas dúvidas quanto ao pesadelo em que se está a tornar o futebol português. Haverá salvação?

Deixem-me referir ainda que, tal como neste caso, o blogue VIMARANES está e estará sempre aberto para as opiniões dos leitores, bastando para isso enviarem-nos um texto que achem oportuno para o nosso endereço de email (ovimaranes@gmail.com), tornando-se assim o blogue ainda mais plural.

28/10/09 17:01
Daniel Abreu disse...

excelente texto.

Pena o futebol estar como esta e tudo a conta do k todos nos sabemos..

futebol moderno=negocio



VITÓRIA. Só mesmo este grande grande amor,clube,vicio,paixão é que me faz correr para o estádio...

e é msm sempre a correr visto que saio de trabalhar as 19h...


Saudações

28/10/09 17:19
carlos disse...

e triste as socio do vitoria andar a disser mal dos arbitos o mal ta na direçao e nos golos e nos morenos e flavios acordei socios modernos para pior

28/10/09 17:39
ricardo lopes disse...

No mundo do futebol estar acordado é um verdadeiro pesadelo para a maior parte dos clubes á excepção dos 3 estarolas. A verdade é que só mesmo a dormir se consegue imaginar igualdade para todos.
Todos os meios são válidos para chamar á atenção da pouca vergonha que é o nosso futebol.
Este é um deles! Muito bom este artigo!

28/10/09 17:51
Miguel Silva disse...

Excelente artigo José Pereira. Acho que todos os Vitorianos se identificam com o que o José escreveu.

28/10/09 18:19
jotafundador disse...

Excelente texto e reflexão sobre o mundo PODRE do futebol e desporto em Portugal. Tudo gira em volta de 3 clubes, os tais denominados de grandes, mas que sem as ajudas extras e descaradas em muitos e muitos jogos, afinal, dentro do relvado são vulgares equipas de futebol, insultando de tal modo e de sobremaneira quem os chama de grandes.

Em Portugal, a imprensa vive atrelada a esses clubes, e só lhes falta mesmo lamber o RABO (cú) aos seus dirigentes e jogadores, se é que não o fazem mesmo. Daí talvez a porcaria que são os jornais desportivos e respectivos programas, apenas e só dedicados a esses 3 clubes, que repito, sem as ajudas principalmente dos árbitros....

Um dia sonhei que os jornais desportivos tinham sido proibidos pelos sócios do Vitória e comunidade Vimaranense de serem vendidos em Guimarães, pelo desinteresse e revolta que provocam no seio dos Vitorianos dado o conteúdo e a mensagem que os mesmos querem tentar passar.

28/10/09 19:11
Anónimo disse...

Excelente texto,e excelente sonho.
O pior é o pesadelo do acordar, já que a realidade foi muito bem descrita.
Parabéns
S. Guimarães
Sócio 1013

28/10/09 20:04
carlos disse...

caro José. e que sonhas eu vivo neste mundo de mafia aonde o ser humano nao val nada a mafia ta dentro do vitoria

28/10/09 20:34
André disse...

Parabéns por revelar o seu sonho. Nunca sonhei nada parecido mas partilho do sentimento de revolta que os 3 merdas dos clubes mafiosos fazem para se safarem em alguns jogos - quase em todos do campeonato.

28/10/09 22:20
André disse...

Boicote aos jornais desportivos bola recor e jogo. Já.

28/10/09 22:21
Anónimo disse...

Antes fosse um sonho! isto caminha para o fim, como dizia um antigo dirigente do vitoria, " Portugal no futebol vai ser um luxemburgo à beira-mar plantado".
Vamos acabar com meia duzia de equipas profissionais.

28/10/09 23:40
Anónimo disse...

Caro José. Estamos em família, podemos e devemos desabafar: o contínuo stress por causa do governo do lar, a corrida diária para o trabalho em busca do sustento - e ainda o cúmulo de não poder dispor das tardes de domingo para acompanhar o nosso Vitória na alegria (ou dor) do compromisso desportivo. Que fazer? A máquina industrial e de fazer dinheiro da TV comanda tudo. Os jornais da especialidade: vamos deixar de comprar o Record? Têm os sportinguistas (apesar da crise)para a sua sovrevivência. Vamos deixar de comprar a Bola? Têm os benfiquistas (com a mancha vermelha em alta) que chegam para cobrir de longe a nossa abstenção. Vamos deixar de comprar O Jogo? Têm os portistas (e a miragem do Penta) para equilibrar as finanças... Portanto, caro José, só mesmo uma revolução da mentalidade do Zé Pagode a nível geral que irradicasse do seu cérebro a vaidade de ser lagarto, ou lampião, quando é de Coruche ou da Trofa; ou de ser dragão, quando nasceu em Foz Côa... Cada um de nós, quando puxarmos pela nossa santa terrinha, as coisas mudarão de verdade. Até lá, vamos ter que "levar" com toda a gama de árbitros corruptos, dirigentes interessados no deus-dinheiro, jornalistas debaixo da mesa onde se banqueteiam uns e outros. Mas continuemos a sonhar, caro José - "largos dias tem cem anos" não é? Como escreveu um Daqueles Que Estão no Vértice da Pirâmide...

29/10/09 01:21
Miguel.VSC disse...

Eu um dia sonhei que todos os outros clubes formaram uma liga e não permitiam a entrada dos 3 ladrões.

29/10/09 08:58