sexta-feira, setembro 30, 2011

Falemos da SAD


Desde o último dia 22 – dia do aniversário do Vitória – que a questão em torno da criação ou não de uma Sociedade Anónima Desportiva voltou a estar na ordem do dia em Guimarães. Primeiro foi João Cardoso, ex-vice com a área financeira e actual Presidente da Mesa da Assembleia-geral, que se mostrou favorável à mudança do modelo de gestão do Vitória. Seguiu-se Emílio Macedo da Silva que, não negando as suas vantagens, confirmou que não é sua intenção criar uma SAD neste mandato. Ontem, foi a vez de Luciano Baltar, actual vice-presidente com a pasta das finanças deixar a sua opinião, igualmente favorável.
Apesar de não conhecer em pormenor os termos jurídicos inerentes à criação de uma SAD, sou tendencialmente a favor, tendo, como é óbvio, o clube a maioria das acções. Provavelmente esta não será a melhor altura, dada a crise que afecta todos os sectores e a dificuldade para encontrar investidores privados, mas é por aí que o nosso futuro deve caminhar. Por uma gestão, aí sim transparente, profissional, obrigada a apresentar resultados. O que no Vitória se assiste é a uma gestão de quase mercearia, ao sabor de quem nos dirige e aos seus caprichos. Considero por isso positivas as declarações de João Cardoso e Luciano Baltar, para que se volte a discutir este tema nas hostes vitorianas.

Quem também voltou a estar na ordem do dia foi Manuel Pinto Brasil. Já começou a ser um (mau) hábito, quase semanalmente receber na minha caixa de email um comunicado enviado pela sua assessoria de imprensa, assinado (?!) pelo ex e futuro candidato à presidência do Vitória. Depois dos leitões e outros fait-divers, esta semana decidiu igualmente partir para o insulto gratuito. Acusou João Cardoso de ser “benfiquista ferrenho, e que só se inscreveu como sócio do Vitória à espera de uma oportunidade para ascender nesta cidade”. Ora, não sou advogado de defesa do líder da AG do Vitória -muito longe disso – mas um rápido olhar para os números de sócio de ambos, antes da renumeração, constata-se que Manuel Machado Pinto Brasil tinha o número de sócio 31128 e João Augusto Cardoso o 7559. Serve isto para dizer que, até no que diz respeito às “oposições”, pelo menos conhecidas, não temos sorte nenhuma…

17 Comentários:

luis cirilo disse...

Eu não tenho opinião fechada sobre o assunto.
Neste momento, e com os dados de que disponho,parecer-me-ia preferivel uma alteração estatutária que permitisse a remuneração dos dirigentes por valores razoáveis e com critérios claros.
Mas admito muito interesse em ver este assunto debatido.
O problema da maioria de capital na SAD tem a ver com os investidores.
Porque sendo a maioria das acções do clube dificilmente o investimento será atractivo.
Sendo a maioria colocada no mercado é evidente que o clube pode perder o controle da SAD.
No futebol não existem "golden Shares"!
Espero que emvolta deste assunto se faça um debate sereno e esclarecedor.
Que permita uma decisão acertada aos sócios.

30/9/11 00:14
vitoriadofuturo disse...

Bem pedro, permite-me discordar de ti. Para mim a SAD é um dos erros do futebol moderno. Aliás se tivermos em conta as instituições que neste inicio de século estão na mó da frente são aquelas que não optaram por este modelo de gestão. Real Madrid e Barcelona são os maiores exemplos disso. Ser apenas um clube não implica gestão de merceeiro, isso deve-se á incompetência das pessoas. Um clube deve ser gerido com profissionalismo e transparência, mas para isso não é preciso SAD (trocando por miúdos, vender o clube a quem quiser). É preciso é gestores com rigor e competência e que estejam no clube para o servir e não para servirem interesses pessoais. Aliás com uma alteração profunda dos estatutos, incluindo neles a obrigação de prestar contas detalhadas aos associados, com a profissionalização da estrutura dirigente basta para que o clube caminhe no caminho certo. Qual é a SAD em Portugal que dá lucro? Nenhuma, só serviu para aumentar os passivos do clubes e tornarem os clubes ainda mais em negócios. Se criticamos esta direcção por olhar para o Vitória como um meio de ganharem uns trocos com a SAD só o lucro interessará. Existe uma frase numa das claques que diz o seguinte: "Resistir é vencer" e este clube é unico por isso mesmo, porque resiste a vender-se, porque resiste a colocar-se no panorama do futebol nacional á mercê dos Senhores do futebol, ao poder instituído pelos de sempre. A SAD irá permitir que qualquer um tenha uma parte do clube e para mim este clube é nosso, é dos adeptos, é dos sócios. Porque somos nós que fazemos deste clube grande em Portugal, porque resistimos, porque somos contra o sistema. Nós somos o Vitória e nós é que merecemos uma parte do clube, não aqueles que tenham dinheiro. Com uma gestão profissional e com pessoas que trabalhem no clube para quê a SAD? Para o nosso passivo aumentar? Para isto ainda se tornar mais um negócio? Para vermos um desfile de jogadores todos os anos porque o que interessa é vender? Para mim, não. Para mim o Vitória é nosso e não de qualquer um que tenha uns trocos e possa comprar alguma parte do que nós ajudamos a crescer. O meu sonho é ter rios de dinheiro comprar o Braga e fechar-lhe as portas, agora imagina se um dia aparece alguém assim do outro lado da barricada. Porque mesmo tendo os 51% quando toca a muito dinheiro as pessoas cegam... Ou então como fez o americano que comprou o Man utd com o próprio dinheiro do clube, porque depois passou a divida toda para clube. Enfim na SAD só vejo contras. É com orgulho que somos o maior clube português, porque efectivamente o somos.

30/9/11 00:28
vitoriadofuturo disse...

http://www.ojogo.pt/Directo/NoticiaHora_futferransorianodec_290911_393423.asp

Um bom exemplo de como dever ser gerido um clube, sem se precisar de uma SAD. Aliás nós podemos fazer isto, só não concordo com a parte que não podemos ganhar a champions regularmente. Quando se vender muito e se tiver dinheiro em caixa pode e deve-se começar a construir equipas para altos voos.

30/9/11 00:32
Sonho Vitoriano!!! disse...

Relativamente ao assunto Pinto Brasil não podia estar mais de acordo. Infelizmente nem na oposição temos valores seguros. Se Pinto Brasil fosse bom, teria ganho as últimas eleições sem grande dificuldade.
Quanto ao assunto SAD discordo. Não sou favorável a esta ideia. Essencialmente por dois motivos. Primeiro este modelo de gestão permitirá que pessoas que tenham capacidade financeira possam ter algum poder de decisão no clube, só porque têm dinheiro.Sem que sejam vitorianas e sem que defendam necessáriamente os interesses dos clube. Podem simplesmente olhar aos seus interesses financeiros, não interessando, para essas pessoas, se as suas decisões são desportivamente boas ou não, tudo o que irá interessar será a obtenção de lucro. Será possível ver pessoas como Pinto Brasil a terem poder de decisão no Vitória. E isso eu não quero. Segundo ponto, actualmente não conheço nenhum clube em Portugal que se tenha transformado em SAD e que com isso tenha resolvido a sua situação financeira. Pelo contrário as SAD em Portugal têm apresentado sistemáticamente resultados negativos. Não creio por isso que essa seja uma boa solução para o futuro do Vitória. Mas concordo que é um tema que deve ser analisado com calma e sobre o qual se deve ouvir a vontade dos vitorianos, sendo que o caminho a seguir terá que ser o que a maioria escolhaer.

30/9/11 00:54
Sonho Vitoriano!!! disse...

Relativamente ao assunto Pinto Brasil não podia estar mais de acordo. Infelizmente nem na oposição temos valores seguros. Se Pinto Brasil fosse bom, teria ganho as últimas eleições sem grande dificuldade.
Quanto ao assunto SAD discordo. Não sou favorável a esta ideia. Essencialmente por dois motivos. Primeiro este modelo de gestão permitirá que pessoas que tenham capacidade financeira possam ter algum poder de decisão no clube, só porque têm dinheiro.Sem que sejam vitorianas e sem que defendam necessáriamente os interesses dos clube. Podem simplesmente olhar aos seus interesses financeiros, não interessando, para essas pessoas, se as suas decisões são desportivamente boas ou não, tudo o que irá interessar será a obtenção de lucro. Será possível ver pessoas como Pinto Brasil a terem poder de decisão no Vitória. E isso eu não quero. Segundo ponto, actualmente não conheço nenhum clube em Portugal que se tenha transformado em SAD e que com isso tenha resolvido a sua situação financeira. Pelo contrário as SAD em Portugal têm apresentado sistemáticamente resultados negativos. Não creio por isso que essa seja uma boa solução para o futuro do Vitória. Mas concordo que é um tema que deve ser analisado com calma e sobre o qual se deve ouvir a vontade dos vitorianos, sendo que o caminho a seguir terá que ser o que a maioria escolhaer.

30/9/11 00:54
Orlando disse...

Sou contra a SAD. Acho que o futebol está a perder todo o seu espectáculo, justamente pelo envolvimento de entidades que nada querem do futebol, senão dinheiro fácil. Faço um pequeno exercicio, àqueles que advogam a SAD, que dizem que esta é a forma de trazer mais transparencia e profissionalismo. Constitui-se a SAD, o clube nomeia para presindente da SAD, Emilio Macedo sa Silva, que por sua vez, nomeia para directores João Cardoso, Luciano Baltar, Júlio Mendes, João Martins, ou seja, as mesmas figuras de sempre. Eu pergunto: será que estas pessoas serão mais profissionais, mais inteligentes pelo facto de estarem apenas e só numa SAD?

O profissionalismo tem haver com as proprias pessaoas. Uma mau profissional, será sempre um mau profissional, independentemente da organização onde esteja.

Podemos ter na mesma bons directores remunerados, e que façam o seu trabalho bem feito. Basta para isso que adquemos os estatutos para tal.

30/9/11 10:10
Afonso disse...

Meus senhores, mais do que andar a falar de SAD's ou profissionalizar o clube, temos um problema interno para resolver e isso é um dos grandes males do VSC:
O Vitória tem mais de 50 funcionários administrativos e ésta é apenas a ponto de um iceberg de incompetencia.
Falta sim fazer uma grande reestruturação interna para separar o trigo do joio, pois muitos que lá estão já transitam desde o tempo de Pimenta Machado com ordenados pornograficos para a produção que têm.

30/9/11 11:21
Vimaranes disse...

Admito que seja um assunto que possa ser discutido para termos todos os dados nas mãos para decidirmos. Já duvido que este seja o timing acertado para tal discussão e surpreende-me (ou não) que de repente membros de uma direcção eleita que no seu compromisso eleitoral afastava a hipótese de criação de uma SAD se tenham agora lembrado da sua utilidade.

Não tenho posição clara, ainda, a favor ou contra as SADs, mas parece-me à partida uma fuga para a frente numa discussão mais alargada que se deverá ter. Tal como já foi aqui referido, um incompetente é incompetente sendo remunerado e fazendo parte de uma administração da SAD ou estando supostamente "de borla" no clube. Por isso, tal como a profissionalização dos árbitros, esta é uma discussão que às vezes peca por exageros. Convém que nos convençamos que quem foi e é incompetente para gerir o Vitória "de borla" também o seria à frente de uma SAD.

Agora, não tenho dúvidas que o Vitória terá (e já deveria) de caminhar para a profissionalização. Ou seja, devemos ter uma estrutura profissional com 2 ou 3 administradores pagos - dentro da realidade do clube e do país - que podem ser o presidente e 2 vice-presidentes por exemplo, disponíveis 24 horas para o Vitória e aos quais possamos exigir que prestem contas e assumam as responsabilidades pelos actos tomados, sem as habituais desculpas de estarem a dispor do seu tempo de modo gratuito ao serviço do clube. E para isso acontecer, não creio que fosse necessária a criação de uma SAD mas apenas a adequação dos estatutos a uma estrutura profissional.

30/9/11 11:32
Henrique Barros disse...

Já em várias ocasiões, em Assembleias-Gerais, reforcei a ideia de que devemos ter uma gestão profissional. Com isso quis dizer que os estatutos devem prever a remuneração dos seus dirigentes para que pessoas competentes (sócios é claro)possam por exº deixar o seu trabalho e dedicar-se de corpo e alma ao Vitória e ser remunerado por isso.
Assim só quem tem de facto uma carteira recheada e uma agenda flexível poderá candidatar-se à presidência do VSC.
Quanto à SAD, ainda estou à espera do estudo encomendado a uma comissão nomeada no tempo do Pimenta...

30/9/11 11:35
J.silva disse...

""Ferran Soriano considerou também que os clubes são mais bem geridos por pessoas ligadas à área financeira, durante a conferência subordinada ao tema "O que o Futebol tem a ensinar à Gestão", que contou com a presença do secretário de Estado do Desporto e Juventude, Alexandre Mestre.

"Os clubes de futebol mais bem sucedidos que conheço são geridos por pessoas que não percebem nada de futebol", advogou o empresário espanhol, lembrando que levou o FC Barcelona a triplicar as receitas em cinco anos, e advertindo que a entrada do presidente no balneário "é a receita para o desastre".""

30/9/11 12:08
Filipe disse...

Deixo apenas algumas ressalvas em relação á questão da SAD. O facto de o clube ser uma SAD não significa que quem tem acções possa de certa forma influenciar os destinos e/ou a estratégia do clube. Existem dois tipos de acções: com poder de voto e sem poder de voto. É o próprio clube aquando da constituição da SAD que determina quantas e de que forma as acções com direito de voto são distribuídas. Isto significa que o Vitória não ficará nas mãos de investidores apenas porque constitui-se SAD. Aqueles que decidirem investir na compra de acções do Vitória, terão principalmente como móbil a valorização das mesmas no tempo para posteriormente vender e fazer aí uma mais valia.
A grande vantagem (principalmente numa fase inicial, ou mais tarde em uma nova abertura de capital) da SAD é o financiamento, dado que o acesso ao capital através da venda de acções é feito de uma forma mais rápida do que o habitual. Ou seja, financiamento no banco, publicidade, venda de jogadores, etc...
A constituição de uma SAD abre-nos as portas para outro tipo de investidores, regra geral com maior capacidade financeira, no entanto com outras perspectivas de retorno.
Neste momento e dada a conjuntura nacional e internacional parece-me o timing errado para tal.
Acredito que acima de tudo e antes de o Vitória pensar em ter uma SAD precisa de rever o modelo de Gestão actual. Esse sim, precisa de ser melhorado e profissionalizado. Não adianta mudar o nome e deixar as coisas como estão pois o nome SAD por si só não resolve nada.

Filipe
São Paulo

30/9/11 12:10
Paulo César disse...

NÃO à SAD.
Ainda por cima numa altura em que os investidores naturais que seriam as empresas e empresários Vitorianos não terem condições de investir no clube, é abrir a porta aos abutres dos empresários. Enquanto o diabo esfrega um olho temos um árabe a mandar no clube (nada contra os árabes, bem entendido)

Mais, a história a médio prazo mostra-nos que, na maioria, só apenas clubes de grande dimensão têm SAD's bem sucedidas. Ponham os olhos em Espanha: à excepção do Real Madrid e Barça, colossos mantidos por bancos, está tudo ou falido ou entregue nas mãos de empresários.

30/9/11 13:40
GUIMARAES MANDA disse...

o problema d vitoria e o merdas d milinho rua ja milo

30/9/11 14:14
iur.vsc disse...

Sinceramente também penso que SAD não será a solução. Num país falido, seria certamente uma SAD falida. Um clube profissional, concerteza.
Aproveito mais uma vez para lançar este repto: apareçam domingo às 10h junto à estátua de D. Afonso Henriques para conhecer o Sr. Luis de Freitas.
Sinceramente não entendo porque ainda nenhum blogue, para além daquele em que o Sr. Luis escreve, falou desta situação. Vejo toda a gente descontente com a direcção, mas quando aparece uma lufada de ar fresco, todos se calam.
Apareçam ao menos para saberem o que o Luis tem a dizer, ou no mínimo para demonstrar que estão descontentes com a actual direcção.

30/9/11 14:41
Miguel Salazar disse...

Eu confesso que também ainda não tenho uma ideia formada sobre este assunto, mas parece-me que aquilo que já há muito tempo se vai adiando, mas que é inevitável, é a necessidade de profissionalização de parte da Direcção (Presidente! Vice para o futebol? Marketing? Director Desportivo?).
A questão da SAD é uma questão que poderá ser debatida com muito mais calma (entenda-se vagar), embora não me incline muito para essa hipótese...

30/9/11 16:20
José Manuel (Nelo) disse...

Meus senhores, não convém opinar sobre o que não se conheço profundamente. Eu, por ex., de Biologia só sei o nome de alguns animais e plantas. Isso vale quanto ? 2 % ?

Vejamos: uma SAD é um veículo de gestão orientado para a captação de investimentos, quer em transacção bolsista, quer pela aquisição directa por investidores interessados, fundos de investimento licenciados, etc.

Uma SAD tem de ter um mínimo legal de gestores profissionais a tempo inteiro. Mas a lei não impõe que eles sejam competentes.....

Um clube como o VSC só não tem gestores competentes porque a Direcção também não sabe avaliar o que isso seja.

Portanto, a ideia de uma SAD, vinda de quem vem, só me parece indiciar que os respectivos mentores estão sem futuro à vista nas respectivas profissões actuais, e precisam de preparar o futuro. Concretamente: o sr. presidente da mesa da AG tem os patins postos para sair da entidade bancária que foi recentemente vendida, e onde a sua "folha" afinal se revelou pouco recomendável. O sr. vice presidente da direcção viu fechar-se a torneira dos subsídios estruturais para os projectos de investimento que ele realizava na empresa, e aprovava nas horas vagas na ACIG. O mr. euro-milhões poderá em breve ficar conhecido como o mr. euro-tostões, pois o MIT-Penha já está quase a renomear-se para MIT-Dan José.

À beira destes srs. e do sr. EMS o Pimenta era um pequeno aprendiz, e Pinto Brasil mais parece um menino de sacristia a quem deram um passaporte, e ele, maravilhado, foi à conquista da Europa, e ainda não percebeu que isso de Europa ainda não deixou de ser o que está para lá da fronteira. Aqui o raciocínio cívico e associativo é mais tipo casa-dos-segredos, num mix de Feira Afonsina. Ele próprio (Pinto Brasil) ainda não se deu conta. Mas essa é a realidade.

Será que os vitorianos alguma vez irão compreender isso ?

Aqui há uns anos houve um clube de vários milhões de adeptos que não conseguiu deixar de eleger um super-ganda vígaro para presidente, e o resto da história é conhecida....

Se ao menos António Magalhães tivesse partido uma perna na véspera de ter mandado o sr. Alberto Oliveira a São Martinho de Sande falar ao Milo sobre Vitor Magalhães.....

E aqui termino, que isto já quase parece um guião da TVI.

Em suma: SAD, só lá para o ano 2020, caso então já haja dinheiro a rôdos a circular. Para já, é manteiga em nariz de cães....

Guisnake
JM

30/9/11 20:03
benachour10 disse...

Lanço aqui uma ideia...Ja que estamos a falar em profissionalizar o clube porque nao começar pelo departamento medico não se admite que no dep. medico do vitoria nao haja sequer um profissional mas sim tudo gente em part-time.

30/9/11 23:20