segunda-feira, setembro 12, 2011

Reincidente

Como tão bem lembra o master kodro, seu blogue, não é a primeira vez que Duarte Gomes confunde cabeças com mãos. Em 2007 deu inclusive direito a um pedido de desculpas por parte do próprio árbitro, mas o beneficiado foi - curiosamente, claro - o mesmo de sábado. Jogava-se uma eliminatória da Taça da Liga, quando no minuto 90 na Amadora e com a equipa da casa a vencer por 1-0, o tarefeiro lisboeta viu uma bola bater na mão do jogador do Estrela quando afinal bateu... na cabeça. O Benfica conseguia assim ir para as grandes penalidades e eliminar os amadorense.

Wagnão, El Adoua, N'Diaye, Benfica, Duarte Gomes... tantas coisas em comum. Descubram as semelhanças:


7 Comentários:

Marco Ribeiro disse...

Aquela anedota de presidente que infelizmente temos diz esta pérola:

"(...) Não podemos continuar a trabalhar desta forma. Tenho de estar atento porque, de facto, o segundo e o terceiro penalty foram demasiado tendenciosos”

Tenho de estar atento!!!!

Porquê? Tem andado a dormir na forma sr. Emílio?

12/9/11 14:05
José Manuel (Nelo) disse...

http://sicnoticias.sapo.pt/programas/tempoextra/article750843.ece

12/9/11 16:31
DUX_XXI disse...

Imagens que valem mais que 1000 palavras? Melhor do que esta não há:

http://goo.gl/W2WYX

12/9/11 16:41
SPCova disse...

Continuo deliciado com a qualidade deste blogue, dando por isso e mais uma vez, os parabéns ao Vimaranes.

Em relação ao jogo, a minha visão é a seguinte:

1º penalty - sem discussão.

2º penalty - em lance corrido pareceu-me penalty. Com as repetições fiquei na dúvida e mantenho-a. Não sei. Não consigo decidir e vi várias repetições.

3º penalty - Não, nunca, jamais.

"penalty" do Abel - Acho que o árbitro não viu, porque o angulo de visão não o permite. Se visse marcava, e eu provavelmente concordava. Mas acho natural não ter marcado, se não viu. O meu critério sobre a mão na grande área é claro. Tem que ser voluntário e/ou o jogador ao fazer a mancha abre os braços.

O estranho nisto tudo é a certeza de Duarte Gomes. Foi sempre peremptório. E tem antecedentes. Percebe-se que podendo beneficia o Benfica. Depois daquele jogo na Amadora... não é preciso dizer mais nada.

Gostaria também de deixar um comentário em relação ao MN’Diaye. O homem precisa que alguém lhe explique o que é ser defesa. É que mesmo no terceiro penalty, só não é penalty por acaso, porque ele fez a mancha de braços esticados. É inadmissível a quantidade de erros infantis.

Abraço a todos

12/9/11 18:59
Vimaranes disse...

Obrigado pelas palavras caro SPCova que julgo sinceras.

Quanto ao comentário que faz sobre o N'Diaye concordo em absoluto, até porque não é caso virgem, bastará lembrar alguns jogos da época passada, no Dragão ou em Olhão. Não tenho dúvidas que poderá ser um grande central, mas neste momento é apenas um jogador imaturo e que custa pontos ao Vitória. Terá de crescer e enquanto isso não acontece gostaria de perceber o que vale Defendi ou testar Freire.

12/9/11 20:03
Anonimous disse...

Boa tarde.

Desculpem deixar este post nesta notícia:

O Vitória disponibilizou 1800 bilhetes a 22eur ao clube que ninguém sabem muito bem que tipo de adeptos tem?

Nem sei se chorar ou rir quando penso no jogo do ano passado e na brilhante gestão do nosso Clube!!!

enfim...

12/9/11 20:49
miguel silva disse...

E não é só este. Na área dos adversários do Sport Lisboa, uma bola em qualquer parte do corpo do adversário é sempre uma potecial grande penalidade. Só os sport lisbonenses é que acham que é sempre penalty quando os favorecem. Para mim há sim uma intencionalidade, e sistemática - para não dizer sistémica - a do árbitro querer marcar penalty a favor do Sport Lisboa por tudo e por nada. E ainda falta analisar os 'mergulhos' para ganhar faltas inexistentes e os cartões vermelhos que ficam por mostrar, sem falar dos castigos sempre levezinhos... ainda tenho na retina aquele pontapé do luisão a um jogador estendido no chão. Esta semana houve pelo menos mais dois perdoados, e o Vitória livrou-se por pouco de duas pernas partidas.. Se são um grande clube para os benefícios, também o deveriam ser para a dignidade e o zelo. Quando se joga com o Sport Lisboa não é desporto: é como um jogo de poker em que o croupier lhes escolhe sempre as melhores cartas.

13/9/11 06:35