quinta-feira, dezembro 08, 2011

Modalidades


Nem só de futebol vive o Vitória e neste artigo de opinião, o último deste ano, resolvi dar um pouco de atenção ao outro lado do clube, as modalidades ditas amadoras e respectiva formação.
Não é de agora que me habituei a seguir outras modalidades que não o futebol, e num passado não muito longínquo, o voleibol feminino fez a delicia de muitos vitorianos, sendo extinto uns anos depois.

Apesar disso, a carolice e perseverança de muitos fez com que as modalidades amadoras fossem surgindo aos poucos, com autonomia própria e bem geridas quer desportiva quer financeiramente. Um exemplo claro foi mais uma vez o voleibol, desta feita o masculino, com a conquista de títulos nacionais. Mas não foi só o volei a enaltecer o emblema, o basquetebol, com uma estrutura já formada ainda como BCG e que adoptou o nome do Vitória, ombreou com os grandes clubes nacionais também com sucesso. Outras são as modalidades a levar o nome do Vitória bem alto como é o caso do pólo aquático com a presença no escalão maior da modalidade, a natação com vários títulos conseguidos, o kickboxing que não pára de formar campeões, o ciclismo nas suas várias vertentes e mesmo o ténis de mesa, fazem do Vitória verdadeiramente um grande clube.

Como é sabido muitas são as dificuldades com que as diversas modalidades se deparam, nomeadamente ao nível das equipas seniores, com ordenados em atraso, e na formação que, mesmo com uma contribuição monetária mensal dos atletas, têm sobrevivido com grandes dificuldades. No caso da formação, os atletas têm de suportar os custos de todo o equipamento necessário para a prática da modalidade, sem que o clube gaste um euro que seja, e em alguns casos pagando até mais do que o tabelado na própria marca oficial.

A questão que se levanta aqui é, para onde vai todo esse dinheiro, que pelos vistos não chega, desde o momento em que o clube chamou a si toda a gestão dos dinheiros das modalidades?
Porque é que já pagando os atletas uma cota mensal para praticar a modalidade ainda têm de pagar os equipamentos de treino e de jogo, para representar o clube?

Porque é que nas deslocações fora os pais têm de pôr ao dispor do clube o seu próprio carro para transportar os atletas, visto o Vitória não acautelar esse “pequeno” pormenor?
Estas são questões que não podem acontecer num clube com a dimensão do Vitória!
O que se verifica é que este modelo de gestão falhou por completo, na medida em que modalidades com mais “raízes” acabaram por aglutinar verbas que com o modelo anterior estariam ao dispor das outras.

É por isso urgente repensar toda esta orgânica, no meu entender dando novamente autonomia aos responsáveis de cada secção, sob pena de o buraco financeiro a este nível se tornar incomportável, provocando a curto prazo a extinção de algumas das modalidades que tão bem têm representado o Vitória.

Bom Natal e Feliz 2012.

Por Ricardo Lopes

5 Comentários:

GFC disse...

O dinheiro é facil de desaparecer quando se tem " amadores " a ganhar muitos euros e a viver profissionalmente de modalidades ditas amadoras, quanto ao sucesso é sempre relativo...se uma taça de portugal de basket, ou um campeonato de voleibol nestes anos todos a gastar milhares e milhares de euros é ter sucesso tenho as minhas duvidas, quanto ao transporte também acho que é praticamente impossivel o Vitoria ter transporte para todos os escalões de formação de todas as modalidades, teria que ter quase uma frota de 50 carros ou mais tal é a quantidade de jogos que se realizam num fim de semana.

8/12/11 13:58
SPCova disse...

Este tipo de comentários, GFC, demonstra o nível infeliz que pulula em Portugal. Compare os gastos no futebol com os gastos nas amadoras e diga-se se vale a pena. Sim, porque uma taça de Portugal em Basquetebol realmente não é nada comparada com os inumeros títulos que o futebol já conseguiu. E realmente o que vale um Campeonato de Voleibol comparado com os inumeros troféus que a sua modalidade preferida já obteve. Eu partilho em absoluto da sua opinião. Os jogadores de todas as modalidades que não incluam uma bola e um relvado, deviam não só pagar cotas mas também uma taxa de orgulho por representar tão excelso clube. E já agora essa taxa devia ser encaminhada para tão orgulhosos adeptos como você, que lhes permitem carregar o símbolo.
Já transportei jogadores do Vitória para várias provas, isto vendo todos os fins de semana várias carrinhas e mini autocarros parados na garagem. Mas tal facto só valorizou o meu humilde automóvel que sem dúvida vale mais hoje, por tão honrosa tarefa.
Tenha dó.

9/12/11 17:34
GFC disse...

Caro SPCOVA apenas dei a minha opinião que vale tanto como a sua, em todo caso respeito as modalidades amadoras e fazem crescer o clube, condeno é os orçamentos milionários que o Vitória tem para as ditas " amadoras", claro que nunca vamos poder comparar modalidades amadoras com futebol que é o que move o mundo Vitoriano ou não concorda cmg? Muitos e muitos anos o Vitoria viveu quase sem modalidade amadora nenhuma...e não deixou de existir e de ter enchentes no estádio... quanto ao transporte de atletas o Sr. tem informações privilegiadas já que faz parte de alguma modalidade, e já agora espero que pergunte aos responsáveis o porque dos autocarros estarem parados e terem de transportar os atletas em carros particulares, fico a aguardar a sua resposta.

Cumprimentos

9/12/11 18:30
SPCova disse...

No meu caso pessoal limito-me a ser pai de dois atletas do clube, em futebol. Mas fui praticante e fico desgostoso com este tipo de opiniões. Porque obviamente o impacto mediático é diferente, a valorização dos adeptos também, mas esta é uma tendência que temos que tentar equilibrar porque não podemos ser um país de um desporto só. Não vou fazer muito mais comentários, mas das duas uma, ou têm modalidades ou não. Ou se assume que é para entreter e então não se aposta. Porque com o mesmo dinheiro de um "manco" da bola se contrata um excelente basquetebolista. Mas são gostos, isso não discuto.

Em resposta à sua sugestão final, só lhe posso dizer o seguinte: Se acha que os responsáveis do seu clube dão satisfações a alguém, nomeadamente aos pais, não conhece bem o seu clube.

9/12/11 21:47
Amadeu disse...

Parece-me indiscutivel que com uma aposta de milhares e milhares de euros nas modalidades (uma ridicula e infima parte dos MUITOS milhões e MILHÕES de euros gastos (disse gastos) no futebol sénior profissional, resultaram num ESTRONDOSO sucesso inegável e indesmentivel, por comparação.

Assim de memória tivemos umas míseras classificações europeias no futebol, de relevo apenas o apuramento para a pré-eliminatória da Champions com a vergonhosa eliminação por incompetência desta danosa direção. E uma final da Taça com a humilhação na dita.

Contra "milagres" de vitória na Taça de Portugal em Basket (1º troféu sénior numa competição nacional com um grau de dificuldade elevadissimo), campeão da Proliga e causador da revolução da competição nacional, Campeão Nacional e vencedor da Taça de Portugal de Voleibol. Campeões nacionais, europeus e mundiais de kickboxing.

Desempenho mais do que meritório da secção de pólo aquático com subida ao escalão principal e apuramento para final da taça de Portugal.

A questão da gestão das modalidades, no que concerne ao seu financiamento, pode e deve ser discutida. A verdade é que estes gestores agravaram o défice das modalidades mas por puro interesse...

Também o fizeram com a formação e o futebol profissional.

Depois de terem recolhido e "desviado" os patrocinios das modalidades para o futebol e de terem desperdiçado a ligação da secção/modalidade ao patrocinador, só podia dar nesta triste situação de salários em atraso...incumprimento dos compromissos.

9/12/11 22:49