quarta-feira, janeiro 25, 2012

Contenção

Independentemente de ser favorável que os clubes não regulem demasiado o acesso da imprensa aos seus activos, parece-me evidente que num negócio como é o futebol esta proximidade tem de minimamente regulada (e "educada") de forma a não permitir que os jogadores falem mais do que aquilo que devem. É assim que acontece nos clubes mais profissionais um pouco por toda a Europa e também em alguns clubes em Portugal. Isto a propósito da recente entrevista de Nuno Assis (e outros casos similares anteriores) à Rádio Fundação que será emitida no dia de amanhã, mas que tem sido disponibilizada a conta-gotas pela rádio vimaranense.

Depois de ontem termos tido conhecimento de um trecho da entrevista do médio vitoriano em que o mesmo afirma, publicamente, que existem colegas seus que não sabem lidar com a pressão e com os quais têm de andar ao colo, hoje lemos as críticas (com ou sem aspas) de Nuno Assis aos associados do clube pelo facto de serem uns eternos insatisfeitos com as várias direcções e que os mesmos só se importam com o passivo pelo facto do clube não ganhar.

Creio que, a ser verdade que Nuno Assis o tenha dito de forma textual, é chegada a hora dos jogadores, até para evitarem o tal ambiente "muito mau" em Guimarães como apelida Assis, terem alguma contenção. É importante que os jogadores se concentrem essencialmente no importante, ganhar em campo, tecendo menos comentários sobre assuntos internos do clube e da sua própria organização. Nas redes sociais, na comunicação social ou em qualquer outro lado. Aos jogadores, o que é dos jogadores, aos associados o que é dos associados e aos dirigentes o que é dos dirigentes.

11 Comentários:

ricardo sempre disse...

Subscrevo na integra as declarações de Nuno Assis.
Se fosse eu diria muito mais.
Enquanto existir este clima de contestação constante ás direcções sucessivas, criando autentica guerrilha interna, apelidando os orgãos sociais de corruptos, mentirosos, imcompetentes e dos seus amores por outros clubes, amordaçando os jogadores e treinadores, assobiando a equipa nos jogos.
Desta forma estamos condenados ao insucesso.
Basta olhar para o nosso fabuloso palmarés.

25/1/12 17:53
Vimaranes disse...

Uma coisa é concordar-se ou não com as declarações do Nuno Assis, do Saucedo, do Barrientos ou seja de quem for (na CS ou no facebook). Outra coisa é um jogador discutir publicamente assuntos do balneário (no caso a existência de colegas que não aguentam a pressão do clube) ou assuntos internos do clube (como a insatisfação dos associados perante uma direcção ou a importância ou não de ter um passivo alto ou baixo ou mesmo a importância que para os sócios têm as contas do clube).

Há coisas que obviamente os jogadores se devem escusar a comentar, concentrando-se apenas naquela que é a sua tarefa. Deixando os comentários internos para os dirigentes do clube ou para os associados.

Não me parece de bom tom que Assis queira passar a imagem de que há jogadores, colegas seus, fracos psicologicamente (ainda que todos possamos sabem que os há). Muito menos me parece sensato que um jogador, funcionário do clube, queira numa entrevista criticar os sócios por na sua opinião só se interessarem pelas contas porque não ganham (nada mais falso como se percebeu na última AG) ou até que nunca estão bem com nada.

O que quero ver de Nuno Assis, são grandes exibições em campo, de acordo com a qualidade que tem, e que já fez esta temporada, e não que discuta publicamente assuntos internos do Vitória. O plantel, tem de estar à margem deste tipo de questões, sob pena de parecer um braço armado de uma ou de outra direcção.

E isto, é tão importante no futebol de hoje, que se vê a importância que os clubes colocam nos seus departamentos de comunicação. Essencial para a imagem do clube e dos próprios jogadores.

25/1/12 19:33
Amadeu disse...

Nuno Assis, não precisava de se prestar a papel de lambe-botas do Milo. Bem sei que foi ele que o trouxe. Mas foi este o preço que teve que pagar?


Nuno Assis, já é a 2ª vez desde que para cá vieste que me obrigas a dizer: "Vai pró ..."

Joga à bola e se o fizeres já mereces o salário. Quanto ao resto: "Porque no te callas..? Limita-te à tua função e já basta as vergonhas que esta direcção nos faz passar, ainda vem um badameco de um jogador insultar os VITORIANOS? Mas quem julga ele que é? Achaste mais inteligente que os que te pagam e te aplaudem?

Arranjaste lenha para te queimar. A idade afinal não dá sabedoria, bem pelo contrário.

É com cada besta!

25/1/12 22:45
JRV disse...

Entrevista infeliz, que soa a encomenda. É triste ver um jogador destes a prestar-se a este tipo de papel. É até um pouco patético que ele se considere no direito de julgar as simpatias ou antipatias dos sócios para com os actuais orgãos sociais.

Da mesma forma, é também triste que continuem a existir Vitorianos alheados da realidade, que se recusam a admitir que o Vitória está no caminho errado e que é preciso mudar. Democraticamente, os realistas, encarregar-se-ão de devolver o Vitória ao trilho certo.

25/1/12 23:38
José Silva disse...

EM primeiro lugar, mais uma vez repudio todos aqueles que defendem a censura.

depois, em resposta ao Nuno, que é um jogador que admiro:

Adeptos eternamente insatisfeitos? Claro que sim, eu sou, desde que nasci (e antes disso) apenas ganhamos uma supertaça. Eterno insatisfeito, sim, e assim vou continuar enquanto não tivermos um clube que lute por algo mais que um 4º lugar.


Em relação ao resto, gostava de ouvir primeiro a entrevista toda. Se for possível depois colocar o audio no blog, agradecia.

26/1/12 00:16
Vimaranes disse...

Há uma diferença clara entre censura e contenção, entre censura e bom senso. E isto é válido para um jogador que vem em defesa de uma direcção ou que vem contesta-lá em público. Os jogadores é que têm de ter a noção, e se não têm que seja o clube a mostrá-lo, que os assuntos internos do clube e os assuntos do balneário não são para ser discutidos em público pelos jogadores. Da mesma forma que os clubes com uma orgânica profissional blindam (ou fazem por isso)e bem os balneários.

Relativamente à entrevista e segundo informação da Rádio Fundação será transmitida na totalidade na sexta-feira entre as 19h-20h (antes do jogo Vitória x Nacional), com repetição no sabado no mesmo horário.

26/1/12 00:26
José Silva disse...

Uma coisa é pedir contenção. Outra coisa é exigir-la. E aliás como aqui já defendeu, castigar quem não se contém. Condenável.

Ordenados em atraso, contratos de baixo da mesa quando assinam, favorecimento a jogadores de certos empresários, jogadores bêbados e ganzados nos treinos, falta de pontualidade, de profissionalismo, etc... esconder isso é prejudicar o clube, prejudicar os profissionais que treinam a 100% com dedicação.

Este clube já passou a fase do bom senso, precisa é que que as coisas se saibam. Que haja quem mude as coisas. Que os dirigentes exijam mais em campo, e não fora dele. Mas não exigem, e eu sei que não o fazem, porque foi me dito por um jogador titular do VSC.

Se por um lado parece que o Nuno está a tentar desresponsabilizar o Milo, por outro está a revelar o real estado das coisas.

Vamos esperar para ouvir tudo.

26/1/12 01:00
José Pedro disse...

Se o Nuno Assis disse isto:

- Não me lembro de um presidente que os vitorianos tenham gostado. Se me disserem um eu fico contente porque em tantos anos não me lembro e pelo que ouço dizer não existe. É normal que se critique a actual direcção. Nunca se gosta de quem está. A única forma que temos de acalmar as pessoas é ganhando. Quando os resultados aparecem as pessoas andam felizes. Mas os problemas com a direcção têm que ver também com os problemas que o país atravessa. Se tem um passivo de 10 ou 15 não importa. As pessoas querem é que o clube ganhe.

O Nuno Assis passou um atestado de burrice ignorancia a muitos adeptos do Vitória que nunca gostam de nada nem de ninguem neste caso de nenhum presidente e nunca estao contentes com nada. Mas em certa parte tem razão


Sem censuras devia ter sido mais contido mas diz mesmo que Nunca se gosta de quem está e se me disserem um presidente que tenham gostado eu fico contente porque em tantos anos não me lembro e pelo que ouço dizer não existe

Está mesmo a gozar com os adeptos com aqueles que sao mais coios
O pior é em certa parte tem razao

Mas discordo em absoluto quando diz que
Se o Vitória tem um passivo de 10 ou 15 não importa. As pessoas querem é que o clube ganhe.

Só pessoas ou adeptos sem consciencia
Os vitorianos que costumam dizer que sao adeptos do Vitoria e não das vitorias afinal são adeptos das vitorias para o Nuno Assis um jogador que é um simbolo do clube e já anda no Vitória há muitos anos
no passado e agora

Mas o passado interessa é muito
pode não interessar para alguns e até para a direcção que fez borrada da grossa mas o futuro do clube pode estar em risco e as futuras direcções nao vao ter trabalho facil para levantar o clube nesta fase de grande crise que está para durar

26/1/12 01:03
Miguel Ribeiro disse...

É totalmente verdade que se o Vitória tivesse em 1º lugar no campeonato com o passivo que tem neste momento, o mesmo passava para 2º plano e a direcção n seria tão contestada... Esquecem-se que c 1 passivo acima dos 10 milhões o Milinho andava ao colo no ano do 3º lugar c acesso à Champions?! A Ditadura já acabou acho mt bem o Nuno dizer o que pensa e quando ouvirmos o entrevista não vai parecer tão meu pq frases soltas são descontextualizadas... As pessoas parece que andam nisto a meia dúzia de dias....

26/1/12 11:32
jose silva (ronfe) disse...

tou completamente de acordo com o nuno assis.nos somos sempre do contra .pode ate estar tudo bem , mas temos de arranjar sempre alguma coisa para criticar. ainda agora com a entrevista do nuno e ja tamos arranjar merdinhas para criticar.vamos mas é ajudar e apoiar o clube como o faziamos até a bem pouco tempo.

saudaçoes vitorianas

26/1/12 19:02
Amadeu disse...

José Silva de Ronfe.

Desculpa lá, mas tu és um "crente" (no sentido negativo).

Então o atleta "X" pode criticar toda a massa associativa vitoriana e os sócios não podem contestar um jogador que se devia limitar à sua função - jogar?

É verdade que as entrevistas podem ser "conduzidas", mas se as respostas são estas, só devemos colocar o jogador no seu lugar.

Limita-te a bater palminhas e depois vais ver onde paramos!

27/1/12 14:38