quarta-feira, novembro 07, 2012

Hora da Verdade


 
Aproxima-se a hora de todos os vitorianos, que estiverem interessados, decidirem que rumo vai ter o clube daqui para frente, sob pena de depois não terem legitimidade de criticarem o caminho escolhido. O atual sistema ou uma Sociedade Anónima Desportiva.
 
À partida, tudo leva a crer que será aprovada a segunda hipótese, até porque era uma das principais bandeiras que figuravam no caderno eleitoral da direção em exercício, no pressuposto que o triunfo eleitoral foi conseguido pelas linhas que o orientavam e não como um voto de protesto contra os órgãos da altura liderados por Emílio Macedo da Silva.
 
Ora, perante estes factos, e sabendo de antemão que os vitorianos iriam ser chamados a pronunciar-se é imperativo todos aqueles que vão contribuir para o que vai suceder depois do dia 18 de Novembro estarem muito bem informados sobre as vantagens e desvantagens do novo caminho.
 
Algumas acções levadas a cabo por alguns sócios na tentativa de criar um debate mais abrangente durante o verão acabaram por não ter o efeito desejado, o de uma participação significativa, o que de certa forma poderá causar alguma preocupação. Mesmo assim, algumas personalidades conhecidas do universo vitoriano, não quiseram deixar de dar a sua opinião sobre esta matéria tão delicada.
 
Percebeu-se que a maioria não vê com bons olhos este novo figurino, e a acontecer a opinião unânime é que o Vitória terá que ter uma posição maioritária na participação da SAD, coisa que não parece ser determinante para os autores da proposta, antes pelo contrário.
 
Algumas dificuldades podem surgir logo à partida, num possível cenário de criação da SAD, na obtenção do capital social uma vez que a transferência do passivo obrigará à transferência de activos de valor igual. Como fácil será perceber, numa SAD os investidores querem sempre fazer prevalecer as suas posições, ou seja, mandar.
 
Perante isto, e antes de dar o “sim” alguns cenários terão de ficar bem definidos. O tipo de responsabilidade que caberá ao Clube e à SAD; em caso algum o património do clube seja posto em risco; o clube não ter de responder pelos resultados económicos da Sociedade Anónima Desportiva; a SAD ficar com o ónus das dividas resultantes do PEC; os sócios serem conhecedores dos futuros accionistas de maior peso na estrutura e por fim terem sempre a última palavra num possível abandono da actividade desportiva. Os dados estão lançados e os próximos quinze dias são de reflexão e responsabilização de todos os vitorianos pelo futuro do clube, até dos que ficarem em casa.
 
Por Ricardo Lopes

1 Comentários:

... disse...

http://ultraummododevida.blogspot.com/2012/11/sad-acorda-guimaraes-acordem-vitorianos.html

10/11/12 13:53