quinta-feira, dezembro 20, 2012

O Vitória nas “três frentes”


O ano civil de 2012 está quase a terminar e muito se passou no Vitória. Foi um ano em que muitos vitorianos viveram um enorme pesadelo ao assistirem dramaticamente a uma morte quase certa do clube originada pelo desgoverno da antiga direção. Hoje, o clube está a pagar caro os erros de gestão de Emílio Macedo, cuja fatura está agora nas mãos da nova direção que tenta recuperar a dignidade de outrora com o recurso a inevitáveis “troikas”. 

As medidas, diga-se, são compreensíveis, uma vez que estava em jogo o futuro de um emblema com enorme importância no panorama desportivo nacional. No entanto, a rigidez financeira afetou, e de que maneira, o futebol sénior que sofreu duras remodelações, com as saídas de atletas preponderantes, que na perspetiva da atual direção, recebiam salários acima da média e nada condizentes com a realidade do clube. Além disso, a contratação de atletas obedeceu a certos parâmetros, sendo que as aquisições de futebolistas passaram a ser a custo zero e com contenção de custos a nível de salários, o que deve ter dificultado em demasia as negociações no mercado de verão. 

Posto isto, o Vitória apresentou-se na temporada 2012/2013 com um plantel menos apetrechado relativamente a épocas anteriores, mas nem esse “handicap” foi capaz de retirar a ambição do rejuvenescido plantel de Rui Vitória que pode terminar o ano de 2012 nas três frentes desportivas. 

No campeonato, o Vitória está em sétimo lugar e apenas a três pontos dos lugares europeus (o 5º lugar) e com legítimas aspirações para lutar por algo mais, atendendo que o campeonato nem sequer chegou a meio. Na Taça de Portugal, os “quartos” já ninguém nos tira, e no momento em que escrevo estas linhas, continuamos a sonhar com a passagem para as meias-finais da Taça da Liga. Brilhante, digo eu, apesar dos sobressaltos do Vitória nesta luta constante contra os graves problemas de tesouraria. 

As coisas, aos poucos, estão-se a recompor, e cada vez mais me convenço que “almas penadas” que atormentavam o Rei, estão sendo exorcizadas com o passar do tempo. E quem desde cedo vaticinou um futuro trágico para o Vitória, hoje deve estar a engolir uns valentes “sapos vivos”. Ai se estão…

2 Comentários:

Petř disse...

Com a saída de jogadores como o Defendi e o Toscano, por muito que houvesse certos jogos em que fizessem exibições mais cinzentas, o que é certo é que eram valores certos do clube.
A necessidade de reequilíbrio financeiro terá falado mais alto, mas perder estes 2 jogadores será mau para a equipa.
Esperemos que isso pelo menos permita a ascensão de mais um ou dois jovens da equipa B.

21/12/12 18:28
Paulo César disse...

Com os putos da B que vão substituir estes dois que saíram, vamos ao Jamor e quem sabe trazer a Taça.
Há males que vêm por bem, e quem sabe se não será já este ano o despertar do Monstro chamado Vitória.

22/12/12 20:29