quinta-feira, janeiro 17, 2013

O Jamor ali bem perto...


Depois das emoções fortes desta quarta-feira, confesso que nem estou em mim. Custa-me, no exacto momento em que escrevo este artigo de opinião, encontrar as palavras certas que possam definir o meu rejubilo de termos passado às “meias” da Taça de Portugal. Em primeiro lugar, porque eliminámos o eterno rival numa prova de prestígio e caminhamos a passos largos para o Jamor, tendo apenas o Belenenses ou o Arouca como único obstáculo. 

Em segundo lugar, uma equipa jovem como o Vitória (tirando Douglas e Olímpio a média de idades do onze titular rondava os 22 anos) deu uma verdadeira lição de alma a uma equipa mais traquejada e com mais recursos, seja a nível futebolístico e financeiro, como é o Braga. 

Os “putos” não se portaram apenas bem. Foram briosos, dedicados e demonstraram uma enorme entrega durante os 120 minutos. Ninguém diria que o Vitória jogou os “quartos” com várias ausências de peso, tendo inclusive recorrido à equipa B para corrigir algumas lacunas, e mesmo assim mostrar a abnegação necessária para ombrear o Braga, uma equipa que certamente alguns “teóricos da bola” já o davam como finalista da prova. O Douglas, que já fez esquecer o carismático Nilson, voltou a decidir, pela terceira vez consecutiva, mais uma difícil eliminatória. 

 E o Rui Vitória? Bem, se hoje os vitorianos tinham dúvidas quanto ao seu valor como treinador, penso que depois do jogo desta quarta-feira, essas mesmas dúvidas e incertezas foram dissipadas. É verdade que a procissão ainda vai no adro e que muita tinta pode correr, mas os frutos do seu trabalho estão a tornar-se indeléveis. Só mesmo um treinador com “Know-how” seria capaz fazer o mesmo que o professor Rui Vitória, que num clube com as limitações que lhe são inerentes por força das dificuldades de tesouraria, conseguiu construir uma equipa jovem e competitiva e, acima de tudo, com muito para dar em prol do futuro nosso Vitória. Imaginem o que faria Rui Vitória se pudesse trabalhar tranquilamente? Bem, para já, há que desfrutar o momento. O Jamor está ali bem perto…

1 Comentários:

Diogo Ferreira disse...

Todos estão de parabéns, foram fantásticos a forma que abordaram o jogo e a entrega que tiveram durante os 120 minutos. Com a mesma humildade, empenho e querer, acredito que vamos conseguir chegar à final e, mais uma vez, encher o Jamor com as cores do nosso clube. Arouca ou Belenenses, será, de certeza absoluta 2 jogos difíceis o que vai exigir da equipa a maior concentração para podermos estar presentes no Jamor.

17/1/13 18:51