domingo, fevereiro 24, 2013

Ficaram-se pela porta (3-2)



Desceram ao Inferno mas acabaram o jogo às portas do paraíso. Quando já ninguém acreditava, a jovem equipa vitoriana correu atrás do prejuízo que alguns erros defensivos primários precipitaram. A verdade é que depois de uma entrada difícil no jogo, o Vitória começou a tentar mostrar algo mais em termos ofensivos mas um lance de bola parada (outra vez os lances de bola parada) levou os bracarenses para a frente em cima do intervalo. Lance importante numa altura do jogo em que o Vitória "mostrava os dentes" e tentava procurar mais o ataque.

Se a primeira parte fechou com um golo sofrido, a segunda começou com uma falha quase "imperdoável" de Soudani que poderia ter dado outro rumo ao encontro. Mas, e como se não bastasse, mais um lance de bola parada e mais um golo. De novo, a defensiva vitoriana a facilitar, a estatura das equipas a ter também um peso determinante neste aspecto e mais um golo sofrido.

Momento difícil do jogo, equipa a abanar e os da casa a aproveitarem para pouco depois levar os vitorianos ao Inferno. Muitas facilidades, auto-estrada para Éder e 3-0. Nesta altura parecia essencial mais do que tentar correr atrás do resultado, segurar a equipa. Porém, a entrada de Baldé ou até de Crivellaro e o recuo do Braga, permitiram ao Vitória crescer e entrar de novo na partida.

Os golos de Paulo Oliveira primeiro e de Soudani depois pareciam querer contrariar todas as previsões de que o jogo estaria resolvido. Não estava. Pelo menos o Vitória quis provar que não estava e os jovens vitorianos voltaram a mostrar a sua principal característica - acreditar até ao fim! Os adeptos esses também lá estavam a fazer a sua parte (excelente deslocação). Incessantes no apoio mesmo com um resultado desnivelado e roendo as unhas depois quando o "paraíso" parecia estar tão perto.

Não foi por falta de oportunidades para abrir as portas que o Vitória não lá entrou. As pernas dos jogadores bracarenses tremiam e os vitorianos iam tentando o terceiro golo. Acabou por não acontecer e o Vitória ficou-se pelas "portas do paraíso", mas deixou uma imagem que nos orgulha na parte final da partida.

Afinal de contas, e quando comparamos o dérbi deste ano no municipal com o dérbi do ano transacto verificamos que o Vitória trocou "apenas" 11 jogadores. É que o único repetente nos convocados era Alex e ficou no banco. Isto, conjuntamente com a diferença de maturidade e de idade de uma equipa e outra explica bem que os vitorianos só têm motivos para se orgulharem da sua equipa.

Cometeram demasiados erros? Alguns que terão de ser a breve trecho corrigidos? Claro. Mas é também este o "peso" da inexperiência. Porque para se garantir o futuro, às vezes é preciso comprometer o presente.

Nota final para dois números curiosos. 14.222 vs 15.136. O primeiro é referente ao jogo da primeira volta, o segundo ao de hoje. Uma diferença inferior a mil adeptos, apesar de todas as borlas e ofertas e momentos das equipas. Sintomático, não?

Reveja os momentos importantes da partida:


Foto: Sítio oficial Vitória SC

0 Comentários: