quinta-feira, fevereiro 14, 2013

“Sem rei nem roque”

 
Por motivos de força maior, confesso que apenas comecei a ver o Estoril – Vitória quando estavam decorridos 10 minutos de jogo. Fiquei a saber, minutos depois, através de um dos comentadores da Sport TV, que o Vitória jogava reduzido a dez elementos após a expulsão de Alex aos 4 minutos. Nenhum alarido foi dito, nem questionaram e tão pouco repetiram o tal lance até ao final da partida e logo pensei cá para mim: «parece que desta vez o Soares Dias não meteu o pé na poça». Pelos vistos, enganei-me.
 
Vi o lance mais tarde e fiquei abismado com a forma como Alex foi expulso. Foi, sem margem para dúvidas, uma expulsão “forçada” (e que sentenciou a partida) por parte deste “artista”, um “belo exemplo” , diga-se, da arbitragem portuguesa e que, por acaso, até “passa sempre despercebido “. O que lhe falta é corpo, já dizia o outro…
 
Não sei o que disseram os comentadores da Sport TV na altura da expulsão, mas quase que aposto que a reacção terá sido a mesma da maioria dos media portugueses: indiferença e algum proteccionismo a este “projecto” de árbitro. E tem sido assim há meia dúzia de anos. E a questão que se coloca é esta, porquê tanto proteccionismo da Imprensa, dos colunistas, dos “teóricos da bola” que intoxicam os programas desportivos, do Conselho de arbitragem a este árbitro? Ninguém questiona a incompetência deste Artur Soares dias? Já dizia um amigo meu, este árbitro, acolitado por alguns da sua estirpe, mais parecem os “carrinhos de choque nas feiras populares”.
 
E depois, nós, Vitorianos, ficamos incrédulos com o “tratamento burguês” dado por quem tutela o futebol em Portugal, a uma pequena franja de clubes do nosso campeonato que seguem impunes apesar das irregularidades estarem à vista de todos. O Conselho de Justiça da FPF, se tivesse, no mínimo, um pingo de vergonha, pedia imediatamente a demissão, uma vez que são tantos os “casos” e “casinhos” que são denunciados de forma generalizada por quem tem o dever de nos informar. Ao FC Porto, validou-se a participação na Taça da Liga mesmo sabendo que utilizou irregularmente os jogadores. Ao Cardozo, avançado do Benfica, perdoou-se uma tentativa de agressão a um árbitro, e ao Braga, aplicou-se uma multa “simbólica” depois dos adeptos deste clube terem semeado o terror nas bancadas com a clara intenção de perseguir a claque do Paços Ferreira, obrigando a que esta se refugiasse atrás de uma baliza. Enfim, um sem número de situações que nos levam a pensar que para certa gente alguns são filhos e outros são enteados. E que o diga o nosso Vitória , que tem sido vítima deste sistema podre cujo os responsáveis governam “sem rei nem roque”. Basta!
 
Mais do que nunca, urge banir do futebol estes “terroristas” de fato e gravata. Verdade Desportiva precisa-se!
 
 
Por Henrique Daniel Silva

1 Comentários:

José Silva disse...

Tinha a Tv na Sporttv agora, está a dar o Beira-Mar contra os corruptos do porto.

Ia um jogador do beira mar a ficar isolado (pouco depois do meio campo) quando o jogador de nome mangala faz falta. O arbitro, bem, marca a falta. MAS... dá amarelo!!!!

Curiosidades

15/2/13 21:05