segunda-feira, março 18, 2013

Quando foi preciso, o Paulo desequilibrou (0-4)



Ponto prévio. É evidente que o Benfica é mais forte, tem mais e melhores soluções e era amplamente favorito para a partida de hoje. Aliás, mais se terá tornado depois de saber que enfrentaria o Vitória depois do Porto ter perdido pontos. Mas, a questão vai muito para além daí. Enquanto houve jogo, houve Vitória. Enquanto houve jogo, a jovem equipa vitoriana conseguiu equilibrar a partida. Mas... quando foi preciso Paulo Batista desequilibrou e resolveu tudo a favor dos encarnados. Nada que se estranhe, infelizmente. Aliás, há a curiosidade do Vitória já ter sido arbitrado três vezes por Paulo Batista esta temporada e não ter ganho jogo algum.

O resultado é claramente exagerado e o seu avolumar só acontece em circunstâncias muito especiais. Primeiro porque Paulo Batista fechou os olhos a uma grande penalidade sobre Soudani ainda na primeira parte e com 0-0 - infelizmente tinha-os bem abertos no lance da grande penalidade a favor do Benfica -, depois porque com 0-1, expulsou Kanu quando este toca primeiro na bola e finalmente porque  o seu auxiliar não viu a posição irregular no lance do terceiro golo.

Tudo isto, depois do Vitória ter entrado muito bem na partida. Pressão alta, jogadas de perigo, um Vitória até mais rematador e o Benfica a sentir muitas dificuldades para reagir. Claro que a grande penalidade, ainda por cima num momento em que o Benfica nada tinha feito para merecer o golo, foi um balde de água gelada para os vitorianos mas ainda assim o Vitória foi tentando equilibrar a contenda até à expulsão de Kanu. Ou seja, até haver jogo. Depois disso, era previsível que o resultado pudesse ser ampliado. Por isso, os jogadores vitorianos estão de parabéns por aquilo que lutaram enquanto os deixaram.

Agora, segue-se a Taça de Portugal. A primeira mão é no dia 27 em Lisboa diante do Belenenses. E esse, sim, um dos jogos mais importantes da temporada.

Veja toda a fotoreportagem do encontro no facebook do VIMARANES.


Foto: Catarina Morais

0 Comentários: