quarta-feira, maio 01, 2013

Porta 22

 
 
 
O fim de semana passado tive a experiência mais estranha até hoje vivida. Chegar ao estádio e ver uma multidão junto à Porta 22, já não é novidade, agora assistir ao aquecimento com o recinto amputado de espectadores e depois ao jogo, aí a coisa já muda de figura.
 
Havia qualquer coisa que não batia certo. O silêncio confrangedor dentro do estádio, as bancadas cheias de lugares vazios, o som das bolas a serem pontapeadas e as vozes dos protagonistas ecoando anfiteatro acima não fazem parte do meu conceito de espectáculo.
À minha entrada prontamente me comunicaram:
- Os jogadores no final do aquecimento vão dirigir-se fora do estádio para agradecer aos adeptos.
 
Assim foi, a saída de toda a equipa vestida a preceito pela porta 22 para saudar os adeptos como se de um desporto diferente se tratasse. Mais um momento ímpar, pensei de imediato. Até nisso este clube é diferente.
 
Agora o jogo! Mas qual Jogo? Neste cenário “deprimente” criado por quem tem o poder de decisão e se está borrifando para a essência do jogo, acabou por ser o menos importante apesar das legitimas aspirações de ambos os clubes no final prova em alcançar a melhor classificação possível.
 
No dia 28 de Abril de 2013 mais uma vez se fez história em Guimarães, desta feita pelos piores motivos, com um momento inédito no futebol português patrocinado por gente sem escrúpulos e com sede de protagonismo, sejam eles quem forem. Definitivamente noventa e tantos minutos não foram suficientes para conseguir habituação a tal cenário.
 
Nunca durante tanto tempo a porta 22 tinha sido o local onde se centraram todas as emoções.

3 Comentários:

José Silva disse...

Culpados disto são apenas os adeptos, que não contentes com os exageros no jogo com o braga B (digo exageros porque não sou santo ao ponto de achar que não mereceram resposta às provocações, mas a resposta foi exagerada) alguns decidiram piorar as coisas lançando petardos no jogo com o SLB.

Podemos, e devemos, criticar quem decide os castigos, apenas pela dualidade de critérios. Merecemos sim o castigo, mas não somos nem os únicos nem quem o merece mais.

Mas ao menos que isto sirva de exemplo para quem insistiu durante anos em lançar os tão irritantes, engraçados para alguns, petardos. Eu não vejo onde tá a p... da piada, mas cada um sabe de si.

No entanto, acho exagerado o facto de nem o relato poder ser feito pela radio. Acaba por se castigar os adeptos da equipa adversária que nada teve haver com a situação. Pode um dia acontecer-nos o que aconteceu aos adeptos do Paços.

Existe um preconceito a nível nacional em relação a nós (adeptos do Vitória), quem passou algum tempo fora de Guimarães, a trabalhar ou estudar, sabe que isso é verdade. Se isso é verdade no mais comum dos cidadãos, também é verdade no sector politico e desportivo que influencia e decide nestas situações.

Por isso, há que ter cuidado nas acções. De nós ninguém tem pena... ou respeito.

2/5/13 18:08
miguel silva disse...

O pior de tudo neste castigo, é que a Federação, e a Liga, tentam passar a imagem de que deram um castigo exemplar pelos problemas que se tinham vindo a verificar em todos os estádios nacionais, com apenas um castigo exemplar ao Vitória, usando-o como culpado de tudo o que de mau se passa nas bancadas do estádios portugueses. A imagem que andaram a criar de nós, na comunicação social, nos últimos anos não foi por acaso. Este castigo serve para branquear tudo o que se tem passado em braga, na luz e no dragão, jogos em que o vitória nem sequer foi interveniente... é o absurdo habitual na justiça desportiva portuguesa. A reunião em que decidiram este castigo deve ter acabado à gargalhada, e a esfregar as mãos por finalmente branquearem o ataque do diabo da luz ao fiscal de linha e ao fogo na gaiola, aos petardos no dragão, axa, alvalade e luz, e à cenas de pancadaria nos estádios municipais de braga, tudo concentrado num único castigo apenas ao Vitória. Na Liga e federação usam e abusam do poder, e é de isso que se trata: o mesquita machado faz valer o poder de influência que tem pelas negociatas que faz. Assim todos concordam numa decisão completamente absurda para limpar o cadastro. E este castigo também serviu para, mais uma vez, a Liga e federação fazerem o habitual número de circo da 'justiça desportiva', que me Portugal é uma autêntica palhaçada, como se viu no caso boavista. Até aposto que o vigarista de braga foi à luz pedir apoio, com o argumento de que, com este castigo, o cadastro dos petardos na luz também ficava limpo.
Depois do jogo do braga com o passos, os vitorianos já deviam saber o que aí vinha.
Mas em braga hão-de ficar atolados na lama em que chafurdam...

3/5/13 00:54
cristiano disse...

um aparte, pedro mendes a jogar pelos veteranos do porto no porto canal? que grande vitoriano me saiu, que meta o cachecol num certo sitio.

3/5/13 22:02